Pular para o conteúdo principal

ARTE BARROCA E SUAS CARACTERÍSTICAS

BARROCO


A arte barroca originou-se na Itália (séc. XVII) mas não tardou a irradiar-se por outros países da Europa e a chegar também ao continente americano, trazida pelos colonizadores portugueses e espanhóis. As obras barrocas romperam o equilíbrio entre o sentimento e a razão ou entre a arte e a ciência, que os artistas renascentistas procuram realizar de forma muito consciente; na arte barroca predominam as emoções e não o racionalismo da arte renascentista. É uma época de conflitos espirituais e religiosos. O estilo barroco traduz a tentativa angustiante de conciliar forças antagônicas: bem e mal; Deus e Diabo; céu e terra; pureza e pecado; alegria e tristeza; paganismo e cristianismo; espírito e matéria. 



Suas características gerais são:


• emocional sobre o racional; seu propósito é impressionar os sentidos do observador, baseando-se no princípio segundo o qual a fé deveria ser atingida através dos sentidos e da emoção e não apenas pelo raciocínio. 
• busca de efeitos decorativos e visuais, através de curvas, contracurvas, colunas retorcidas; 
• entrelaçamento entre a arquitetura e escultura; 
• violentos contrastes de luz e sombra; 
• pintura com efeitos ilusionistas, dando-nos às vezes a impressão de ver o céu, tal a aparência de profundidade conseguida. 

PINTURA
Características da pintura barroca: 

• Composição assimétrica, em diagonal - que se revela num estilo grandioso, monumental, retorcido, substituindo a unidade geométrica e o equilíbrio da arte renascentista. 
• Acentuado contraste de claro-escuro (expressão dos sentimentos) - era um recurso que visava a intensificar a sensação de profundidade. 
• Realista, abrangendo todas as camadas sociais.
• Escolha de cenas no seu momento de maior intensidade dramática. 

Dentre os pintores barrocos italianos: 

Caravaggio
- o que melhor caracteriza a sua pintura é o modo revolucionário como ele usa a luz. Ela não aparece como reflexo da luz solar, mas é criada intencionalmente pelo artista, para dirigir a atenção do observador. 
Obra destacada: Vocação de São Mateus. 

Andrea Pozzo
- realizou grandes composições de perspectiva nas pinturas dos tetos das igrejas barrocas, causando a ilusão de que as paredes e colunas da igreja continuam no teto, e de que este se abre para o céu, de onde santos e anjos convidam os Inícions para a santidade. 
Obra destacada: A Glória de Santo Inácio. 

A Itália foi o centro irradiador do estilo barroco. Dentre os pintores mais representativos, de outros países da Europa, temos: 

Velázquez
- além de retratar as pessoas da corte espanhola do século XVII procurou registrar em seus quadros também os tipos populares do seu país, documentando o dia-a-dia do povo espanhol num dado momento da história. 
Obra destacada: O Conde Duque de Olivares. 

Rubens
(espanhol) - além de um colorista vibrante, se notabilizou por criar cenas que sugerem, a partir das linhas contorcidas dos corpos e das pregas das roupas, um intenso movimento. Em seus quadros, é geralmente, no vestuário que se localizam as cores quentes - o vermelho, o verde e o amarelo - que contrabalançam a luminosidade da pele clara das figuras humanas. 
Obra destacada: O Jardim do Amor. 

Rembrandt
(holandês) - o que dirige nossa atenção nos quadros deste pintor não é propriamente o contraste entre luz e sombra, mas a gradação da claridade, os meios-tons, as penumbras que envolvem áreas de luminosidade mais intensa. 
Obra destacada: Aula de Anatomia. 

ESCULTURA
Suas características são: o predomío das linhas curvas, dos drapeados das vestes e do uso do dourado; e os gestos e os rostos das personagens revelam emoções violentas e atingem uma dramaticidade desconhecida no Renascimento. 
Bernini
- arquiteto, urbanista, decorador e escultor, algumas de suas obras serviram de elementos decorativos das igrejas, como, por exemplo, o baldaquino e a cadeira de São Pedro, ambos na Basílica de São Pedro, no Vaticano. 
Obra destacada: A Praça de São Pedro, Vaticano e o Êxtase de Santa Teresa. 

Para seu conhecimento
Barroco: termo de origem espanhola ‘Barrueco’, aplicado para designar pérolas de forma irregular.

Fontehttp://www.historiadaarte.com.br/linha/
barroco.html


O Barroco foi um estilo cultural originado no século XVI, em um cenário marcado pelo fim das Reformas Religiosas. Este estilo apresentava uma oposição aos valores artísticos do Renascimento, baseado na simetria, proporcionalidade, racionalidade e contenção. Desta forma, o Barroco apresenta traços de assimetria, excessos, irregularidades e características expressivas.
Podemos entender o Barroco como uma arte de conflito. Para tanto basta avaliar o contexto da época: o homem estava dividido entre a enorme herança religiosa e mística deixada pela Idade Média e entre a ideologia racionalista e humanista trazida pelo Renascimento.
Desta maneira, as obras Barrocas são marcadas pelo contraste de sensações, palavras e conceitos numa tentativa paradoxal de expor suas diferenças e ao mesmo tempo conciliá-las.
Pode-se notar no Barroco uma atração por aspectos trágicos, sendo que suas telas e textos várias vezes retratam os aspectos da vida do homem de maneira grotesca, trágicas, buscando detalhar e expressar as diversas emoções do ser humano. Em resumo, é possível perceber um exagero de detalhes, a ponto de deformar as imagens e esculturas, o que traz a sensação de ruptura com a harmonia legada pelo Renascimento. Podemos concluir que o Barroco é a arte dos contrastes.
Para visualizar a diferença, veja abaixo um exemplo de pintura Renascentista e uma pintura Barroca.
Monalisa
Obra Renascentista: Monalisa, de Leonardo DaVinci
Aula de Anatomia
Obra Barroca. Aula de Anatomia, de Rembrandt
É possível perceber as diferenças entre as obras; basta observar sua temática, o tipo de luz utilizado, como na obra de Rembrandt a composição tem um tom mais obscuro e sentimental.
Fonte:http://cursinhopreenem.com.br/literatura/a-arte-barroca/


BARROCO - UM RESUMO 

ÊXTASE DE SANTA TERESA, DE GIAN LORENZO BERNINI

MOMENTO SOCIOCULTURAL:

  • CONTRARREFORMA: REAÇÃO DA IGREJA CATÓLICA.
  • OS NOVOS VALORES HUMANISTAS, DEFENDIDOS PELA BURGUESIA, CHOCAM-SE COM OS VALORES TEOCÊNTRICOS, REPRESENTADOS PELO CLERO. 
  • COMEÇA EM PORTUGAL O DOMÍNIO ESPANHOL, QUE DURA DE 1580 A 1640. 

CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS:

  • ANTÍTESE, DUALIDADE, CONTRADIÇÃO, DICOTOMIA: O SAGRADO E O PROFANO, A RAZÃO E A EMOÇÃO, O ESPIRITUAL E O CARNAL, VIDA E MORTE, MEDIEVALISMO E RENASCENTISMO.
  • LITERATURA BASEADA EM ANTÍTESES, PARADOXOS, INVERSÕES SINTÁTICAS (HIPÉRBATOS) E EXAGEROS (HIPÉRBOLES) QUE EXPRESSAM A ANGÚSTIA EXISTENCIAL BARROCA.
  • PREDOMINÂNCIA DE DUAS TENDÊNCIAS, QUE SE INTERPENETRAM: CULTISMO (REBUSCAMENTO FORMAL, JOGO SENSORIAL DE PALAVRAS) E CONCEPTISMO (SOFISTICAÇÃO NO PLANO DAS IDEIAS E ARGUMENTAÇÕES PARADOXAIS).

A INCREDULIDADE DE SÃO TOMÉ, CARAVAGGIO

AUTORES E OBRAS:

  • PADRE ANTÔNIO VIEIRA: MAIOR ORADOR SACRO DA LÍNGUA PORTUGUESA, ESCREVEU, DENTRE OUTRAS OBRAS, "SERMÕES" (15 VOLUMES, ENTRE 1679 - 1718) E "HISTÓRIA DO FUTURO" (1718).
  • FRANCISCO MANUEL DE MELO: ERA VOLTADO PARA A POESIA LÍRICA, A HISTORIOGRAFIA, O TEATRO E A PROSA FILOSÓFICA E MORALIZANTE. ESCREVEU "CARTA DE GUIA AOS CASADOS" (1651), CARTAS FAMILIARES (1664), "OBRAS MÉTRICAS" (1665).
  • PADRE MANUEL BERNARDES: PRODUZIU OBRAS DE CUNHO MÍSTICO E MORALISTA (DIDÁTICO) COM UMA LINGUAGEM SIMPLES E ESPONTÂNEA. ESCREVEU "NOVA FLORESTA" (5 VOLUMES, 1706 - 1728) E "LUZ E CALOR" (1696).
  • SÓROR MARIANA ALCOFORADO: ESCREVEU "CARTAS PORTUGUESAS" (1669) ATRIBUÍDAS A UM AMOR PROIBIDO, UMA PAIXÃO VIOLENTA, INCONTROLADA E NÃO CORRESPONDIDA POR UM MILITAR, O CAPITÃO CHAMILLY. NESSAS CINCO CARTAS, A CONSCIÊNCIA MORAL É SUPLANTADA PELO SENTIMENTO AMOROSO E PELA ÂNSIA DE ESQUECER UMA RELAÇÃO PECAMINOSA, MAS AINDA ASSIM ARDENTEMENTE DESEJADA. 
  • SÓROR VIOLANTE DO CÉU: PRODUZIU POEMAS MARCADOS PELO SENTIDO PASSIONAL, PELAS IMAGENS SUTIS E PELA VEEMÊNCIA. DEPOIS DE ENTRAR PARA O CONVENTO, IMPREGNOU SUAS POESIAS DE RELIGIOSIDADE. ESCREVEU, DENTRE OUTRAS OBRAS, "RIMAS VÁRIAS" (1646) E "ROMANCE A CHRISTO CRUCIFICADO" (1659).
  • FRANCISCO RODRIGUES LOBO: POETA BUCÓLICO E DE INFLUÊNCIA CAMONIANA, ESCREVEU, DENTRE OUTRAS OBRAS, "O PASTOR PEREGRINO" (1608). 

UM POUCO MAIS SOBRE O ASSUNTO:

A estética barroca opõe-se à estética clássica: superfície versus profundidade, forma fechada versus forma aberta, multiplicidade versus unidade. O homem barroco foge das coisas e sentimentos contraditórios que envolvem a natureza humana, exaltando os valores cristãos - o homem volta-se para Deus. Podemos encontrar dois tipos de estética barroca: 

1 - Estética Gongórica: O termo faz alusão ao poeta espanhol Luis de Gôngora y Archote. Essa estética utiliza-se de forte descritivismo. É frequente o uso de Figuras de Linguagem, como a antítese, a metonímia, o paradoxo, o assíndeto, a metáfora, a sinestesia, a hipérbole e a catacrese, além do uso de neologismos. Utiliza-se, também, de uma linguagem trabalhada. 

2 - Estética Conceptista: Também conhecido como Quevedismo, termo que faz alusão ao escritor espanhol Francisco Quevedo y Villegas. Preocupa-se em conhecer a essência das coisas, em vez de descrevê-las (teocentrismo). Utiliza-se mais da razão do que da emoção. Há o uso de antíteses e paradoxos, tornando o raciocínio mais ambíguo em busca da satisfação da inteligência.


CONTEXTUALIZANDO: 

IRMÃ KELLY PATRÍCIA

A Irmã Kelly Patrícia, que fora vinculada à Ordem Carmelita de 1990 até 1992, resolveu realizar trabalhos de evangelização por meio da música cristã e, ao lado da Irmã Jane Madelaine, fundou o Instituto Hesed. Essa religiosa é cantora e compositora e produz o que podemos considerar música erudita cristã, uma vez que transforma poemas de santos carmelitas doutores da igreja, como Santa Teresa de Ávila, São João da Cruz e Santa Teresinha, em música de alta qualidade. Santa Teresa de Ávila e São João da Cruz, considerados representantes grandiosos da poesia barroca espanhola, produziram poemas de forte misticismo e de uma beleza poética indescritível. Para ilustrar, apresentarei algumas das obras desses santos que a Irmã Kelly Patrícia, com poucas adaptações,  musicou.



SANTA TERESA D'ÁVILA 

DOCE CAÇADOR
Entreguei-me toda e assim
Os corações se hão trocado,
Meu Amado é para mim
E eu sou para o meu Amado
Quando o doce caçador
Me atingiu com sua seta,
Nos meigos braços do amor
Minh'alma aninhou-se,
Aninhou-se quieta.
E a vida em outra, seleta
Totalmente se há trocado.
Meu amado é para mim
E eu sou para o meu Amado.
Era aquela seta eleita
Ervada em sulcos de amor.
E minh'alma ficou feita
Uma com seu Criador,
Com seu Criador.
Já não quero eu outro amor,
Que a Deus me tenho entregado,
Meu Amado é para mim
E eu sou para o meu Amado.

BUSCA-TE  EM MIM

Alma, buscar-te-ás em mim
E a mim, buscar-me-ás em ti. 
De tal sorte pôde o amor, alma, em mim te retratar 
Que nenhum sábio pintor soubera, 
Com tal primor, tua imagem estampar.

Foste por amor criada, bonita, formosa e, assim, 
em meu coração pintada, se te perderes, amada alma, 
Buscar-te-ás em mim, buscar-me-ás em ti. 
Porque sei que te acharás em meu peito retratada, 
Tão ao vivo desenhada, que, em te olhando, folgarás 
Vendo-te tão bem pintada.

E se acaso não souberes em que lugar me escondi 
Não busques aqui e ali, mas se me encontrar quiseres 
A mim, buscar-me-ás em ti, buscar-te-ás em mim. 
Sim, porque és meu aposento, és minha casa e morada

E assim chamo no momento em que de teu pensamento 
Encontro a porta cerrada 
Busca-me em ti, não por fora para me achares ali 
Chama-me, que a qualquer hora a ti virei sem demora 
E a mim, buscar-me-ás em ti, buscar-te-ás em mim.


SÃO JOÃO DA CRUZ


NOITE ESCURA I 

Em um noite escura,
De amor em vivas
Ânsias inflamada,
Oh! Ditosa ventura!
Saí sem ser notada,
Já estando minha casa sossegada.
Em uma noite escura,
De amor em vivas
Ânsias inflamada,
Oh! Ditosa ventura!
Saí sem ser notada,
Já estando minha casa sossegada.

Na escuridão, segura,
Pela secreta escada, disfarçada,
Oh! Ditosa ventura!
Na escuridão, velada,
Já estando minha casa sossegada.

Em noite tão ditosa,
E num segredo em que ninguém me via,
Nem eu olhava coisa,
Sem outra luz nem guia
Além da que no coração me ardia.

Essa luz me guiava,
Com mais clareza que a do meio dia
Aonde me esperava
Quem eu bem conhecia
Em sítio onde ninguém aparecia.

NOITE ESCURA II

Oh! Noite que me guiaste,
Oh! Noite mais amável
Que a alvorada:
Oh! Noite que juntaste;
Oh! Noite que juntaste:
Amado com amada. 

Amada já no Amado transformada!
Em meu peito florido
Que, inteiro,
Para ele só guardava.

Quedou-se adormecido,
E eu, terna, o regalava,
E dos cedros o leque o refrescava.

Da meia a brisa amena.
Quando eu os seus cabelos afagava,
Com sua mão serena,
Com sua mão serena,
Em meu colo soprava.

E meus sentidos todos transportava. 
Esquecida, quedei-me,
O rosto reclinado sobre o Amado; 
Tudo cessou. Deixei-me.

Largando meu cuidado
Por entre as açucenas olvidado.

Fonte:http://emersoncardosoemerson.blogspot.
com.br/2013/07/barroco-em-portugal-um-resumo.html





Origens e Características do Barroco 

O barroco foi uma tendência artística que se desenvolveu primeiramente nas artes plásticas e depois se manifestou na literatura, no teatro e na música. O berço do barroco é a Itália do século XVII, porém se espalhou por outros países europeus como, por exemplo, a Holanda, aBélgica, a França e a Espanha. O barroco permaneceu vivo no mundo das artes até o século XVIII. Na América Latina, o barroco entrou no século XVII, trazido por artistas que viajavam para a Europa, e permaneceu até o final do século XVIII.

Contexto histórico 

O barroco se desenvolve no seguinte contexto histórico: após o processo de Reformas Religiosas, ocorrido no século XVI, a Igreja Católica havia perdido muito espaço e poder. Mesmo assim, os católicos continuavam influenciando muito o cenário político, econômico e religioso na Europa. A arte barroca surge neste contexto e expressa todo o contraste deste período: a espiritualidade e teocentrismo da Idade Média com o racionalismo e antropocentrismo do Renascimento.
Os artistas barrocos foram patrocinados pelos monarcas, burgueses e pelo clero. As obras de pintura e escultura deste período são rebuscadas, detalhistas e expressam as emoções da vida e do ser humano.
A palavra barroco tem um significado que representa bem as características deste estilo. Significa " pérola irregular" ou "pérola deformada" e representa de forma pejorativa a ideia de irregularidade.

O período final do barroco (século XVIII) é chamado de rococó e possui algumas peculiaridades, embora as principais características do barroco estão presentes nesta fase. No rococó existe a presença de curvas e muitos detalhes decorativos (conchas, flores, folhas, ramos). Os temas relacionados à mitologia grega e romana, além dos hábitos das cortes também aparecem com freqüência.

BARROCO EUROPEU

As obras dos artistas barrocos europeus valorizam as cores, as sombras e a luz, e representam os contrates. As imagens não são tão centralizadas quanto as renascentistas e aparecem de forma dinâmica, valorizando o movimento. Os temas principais são: mitologia, passagens da Bíblia e a história da humanidade. As cenas retratadas costumam ser sobre a vida da nobreza, o cotidiano da burguesia, naturezas-mortas entre outros. Muitos artistas barrocos dedicaram-se a decorar igrejas com esculturas e pinturas, utilizando a técnica da perspectiva.
As esculturas barrocas mostram faces humanas marcadas pelas emoções, principalmente o sofrimento. Os traços se contorcem, demonstrando um movimento exagerado. Predominam nas esculturas as curvas, os relevos e a utilização da cor dourada.
O pintor renascentista italiano Tintoretto é considerado um dos precursores do Barroco na Europa, pois muitas de suas obras apresentam, de forma antecipada, importantes características barrocas.
Podemos citar como principais artistas do barroco: o espanhol Velásquez, o italiano Caravaggio, os belgas Van Dyck e Frans Hals, os holandeses Rembrandt e Vermeer e o flamengo Rubens.

BARROCO NO BRASIL

O barroco brasileiro foi diretamente influenciado pelo barroco português, porém, com o tempo, foi assumindo características próprias. A grande produção artística barroca no Brasil ocorreu nas cidade auríferas de Minas Gerais, no chamado século do ouro (século XVIII). Estas cidades eram ricas e possuíam um intensa vida cultura e artística em pleno desenvolvimento.

O principal representante do barroco mineiro foi o escultor e arquiteto Antônio Francisco de Lisboa também conhecido como Aleijadinho. Sua obras, de forte caráter religioso, eram feitas em madeira e pedra-sabão, os principais materiais usados pelos artistas barrocos do Brasil. Podemos citar algumas obras de Aleijadinho: Os Doze Profetas e Os Passos da Paixão, na Igreja de Bom Jesus de Matozinhos, em Congonhas do Campo (MG).

Outros artistas importantes do barroco brasileiro foram: o pintor mineiro Manuel da Costa Ataíde e o escultor carioca Mestre Valentim. No estado da Bahia, o barroco destacou-se na decoração das igrejas em Salvador como, por exemplo, de São Francisco de Assis e a da Ordem Terceira de São Francisco.
No campo da Literatura, podemos destacar o poeta Gregório de Matos Guerra, também conhecido como "Boca do Inferno". Ele é considerado o mais importante poeta barroco brasileiro. 
Outro importante representante da Literatura Barroca foi o padre Antônio Vieira que ganhou destaque com seus sermões.

Fonte:http://www.suapesquisa.com/barroco/






A Arte Barroca e suas Peculariedades

O caráter transitório que marcou os primeiros tempos do período moderno é alvo de um amplo estudo que se esforça em considerar as permanências e transformações experimentadas neste período. A expansão marítima, o Renascimento, a descoberta do Novo Mundo, as novas religiões protestantes, a consolidação do poder monárquico integram uma gama de acontecimentos complexos que irão reverberar nas diversas instâncias de ordem social, política e econômica.
Na esfera artística, temos a ascensão de novos padrões estéticos que procuravam superar todo aquele rigor proveniente dos princípios de simetria e equilíbrio valorizados pelo Renascimento. Entre outras mudanças, percebemos o surgimento de pinturas e esculturas marcadas por formas retorcidas e tensas. A preocupação em reforçar o racionalismo e equilibrá-lo com as emoções perde campo para uma arte mais emotiva e cotidiana.

Foi nessa tendência que a arte barroca ganhou espaço e passou a inaugurar um novo período na arte europeia, que já havia experimentado dos valores estabelecidos pela renascença. Na chamada arte barroca notamos uma preocupação menor com as formas e as linhas utilizadas na criação de uma pintura ou escultura. A valorização das cores e a contraposição de luzes e sombras tinham grande importância na demonstração dos gestos e estados de espírito do homem.

Na trajetória do barroco também devemos contabilizar o papel exercido pela Igreja, preocupada naquele momento em frear os avanços do protestantismo e da renascença. O enfraquecimento do poder católico promoveu a disseminação dessa arte sinuosa e dramática utilizada como meio de reafirmação dos valores cristãos por meio de imagens que pretendiam causar impacto semelhante ao das esculturas. Não por acaso, o barroco nasce na Itália, centro do poder católico, e ganha igual força entre os países ibéricos.

A história e atributos de santos e mártires católicos se viam representados com bastante frequência na pintura, nas esculturas e construções do período. Os elementos eram dispostos de uma maneira pouco assimétrica, assumindo na maioria das vezes uma organização diagonal. Paralelamente, podemos também destacar um tipo de realismo que tentava captar situações cotidianas vividas por pessoas simples, propondo um contraste à reprodução das autoridades monárquicas que se firmavam na época.

Na pintura barroca podemos destacar algumas importantes obras como “Cristo em Casa de Marta e Maria” (1578), do pintor italiano Tintoretto; “Deposição de Cristo” (1602), de Michelangelo Merisi da Caravaggio; “Espólio” (1579), do pintor espanhol El Greco; “A Lição de Anatomia do Doutor Tulp” (1632), do artista holandês Rembrandt Harmenszoon van Rijn; e “Moça com brinco de pérola” (1665), do pintor Johannes Vermeer.

Na escultura e na arquitetura também possuímos um grande acervo de obras barrocas onde damos especial destaque a obras como “Êxtase de Santa Teresa” (1645 – 1652), do escultor italiano Gian Lorenzo Bernini; a “Igreja de Santa Maria della Pace” (1656 – 1657), projetada por Pietro de Cortona; “San Carlo alle Quattro Fontane”, do construtor italiano Francesco Borromini.

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Fonte:http://www.brasilescola.com/historiag/barroco.htm


A arte barroca no Brasil
O barroco, no Brasil, foi introduzido pelos missionários católicos que trouxeram o novo estilo como instrumento de doutrinação cristã. Desenvolveu-se do século XVII ao início do século XIX. O poema épico Prosopopéia (1601), deBento Teixeira, é um dos seus marcos iniciais. Atingiu o seu apogeu na literatura com o poeta Gregório de Matos e com orador Padre Antônio Vieira, na escultura com Antônio Francisco Lisboa (o Aleijadinho) e na pintura com Mestre Ataíde.
No Brasil, o barroco floresceu em num período em que os residentes lutavam por estabelecer uma economia auto-sustentável - contra uma natureza selvagem e povos indígenas nem sempre amigáveis. Dessa forma, o Barroco brasileiro variava de uma região para outra; nas regiões que enriqueceram com a mineração e o comércio de açúcar encontramos igrejas feitas por artistas de renome, enquanto nas regiões onde não se encontravam essas riquezas – como em São Paulo - as igrejas apresentam trabalhos modestos de artistas menos experientes.
Igreja de Nossa Senhora do Rosário, São Paulo
No século XVII, época em que o barroco começou a se inserir em nosso país, era comum encontrar grandes painéis azuis e brancos formados pela junção de muitos azulejos com cenas religiosas, figuras mitológicas ou, ainda, cenas históricas ou da literatura. Mais que um simples elemento decorativo essa era uma forma de a igreja Católica transmitir à população de maioria analfabeta, mensagens religiosas e histórias bíblicas.
Azulejos no Convento de São Francisco, Olinda
Já no período Barroco a escultura complementava a arquitetura através das talhas - ornamentos esculpidos em madeira, mármore, marfim ou pedra. As formas esculpidas sugeriam movimento e quebravam a monotonia das linhas retas. As talhas de madeira com várias cores são chamadas policromadas, porém as mais vistosas são as douradas, revestidas por uma película de ouro. Em algumas igrejas, como na igreja de São Francisco de Assis em Ouro Preto a talha se combina com a pintura.
Igreja de São Francisco, Salvador

Com o desenvolvimento do neoclassicismo a partir das primeiras décadas do século XIX a tradição barroca caiu progressivamente em desuso, mas traços dela seriam encontrados em diversas modalidades de arte até os primeiros anos do século XX.
O barroco deu forma a uma larga porção da identidade e do passado nacional, já foi chamado de a alma do Brasil e pó ser uma significativa parte de nossa herança em arte, tradições e arquitetura é hoje Patrimônio da Humanidade.
O Barroco de Pernambuco
A partir de 1759 Recife teve grande crescimento econômico, entre suas construções barrocas mais bem cuidadas está a igreja de São Pedro dos Clérigos. Essa igreja teve suas obras iniciadas em 1728 e concluídas em 1782, segundo projeto de Manuel Ferreira Jácome. A fachada barroca de pedra e a verticalidade do edifício eram incomuns nas igrejas brasileiras do século XVII.
Igreja de São Pedro dos Clérigos, Recife
O Barroco de Salvador
Na segunda metade do século XVII Salvador era a capital do país e o centro econômico da região mais rica do Brasil, aí encontramos igrejas riquíssimas como a igreja de São Francisco que junto com o convento de São Francisco de Assis e a igreja da Ordem Terceira forma o conjunto arquitetônico barroco mais conhecido da cidade.
No frontão da igreja de São Francisco estão os aspectos mais significativos do Barroco: as linhas curvas lembrando as linhas dos elementos da natureza, como plantas e conchas. Seu revestimento interno é todo em talha dourada, o que fez com que essa igreja fosse chamada de “a igreja mais rica do Brasil”.
 Igreja de São Francisco, em Salvador,
O Barroco do Rio de Janeiro
O Rio de Janeiro só viria a ter destaque econômico e cultural com o início da extração do ouro em Minas Gerais, no século XVIII. Com seu porto, a cidade passou a centro de intercâmbio entre a região da mineração e Portugal.
Em 1763 o Rio de Janeiro tornou-se a nova capital do país, a partir daí foram erguidas muitas construções como o Aqueduto da Carioca mais conhecido como os Arcos da Lapa por sua localização no bairro da Lapa e a igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência localizada no largo da Carioca que teve sua construção iniciada ainda no século XVII e concluída em 1773.
Interior da Igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência no Rio de Janeiro.
A escultura barroca do Rio de Janeiro contou com artistas portugueses e com um brasileiro em especial: Mestre Valentim (1750-1813), tão respeitado quanto Antônio Francisco Lisboa (o Aleijadinho), nosso artista barroco mais conhecido e admirado.
Em 1783 foi inaugurado no Rio de Janeiro o Passeio Público, obra projetada por Mestre Valentim. Sua concepção seguiu a idéia, comum na Europa, de que um jardim com ruas, lagos, fontes, bosques, esculturas e pavilhões representaria a natureza controlada e organizada segundo a razão humana.
Passeio Público, Rio de Janeiro
O Barroco de São Paulo
Fundada no século XVI, São Paulo permaneceu estagnada por todo o século XVIII, durante este período as ordens religiosas ergueram apenas modestas igrejas barrocas. Dentre estas construções destaca-se o conjunto formado pela igreja e pelo Convento de Nossa Senhora da Luz.
Convento de Nossa Senhora da Luz
A igreja de Nossa Senhora da Luz começou a ser construída por volta de 1600 e é um dos poucos exemplos da arquitetura colonial de São Paulo.
As esculturas do Barroco paulista são muito simples, em razão da pobreza da cidade nenhum artista de renome ia para lá por isso as imagens são em geral rústicas e primitivas, feitas de barro cozido.
O pintor paulista mais conhecido deste período foi frei Jesuíno do Monte Carmelo (1764-1818).
O Barroco de Minas Gerais
A evolução da arquitetura mineira não foi rápida, primeiro tentou-se utilizar a técnica construtiva paulista de taipa de pilão, técnica comum no Brasil colônia que consiste em erguer paredes com blocos de barro comprimido dentro de uma forma de madeira denominada taipal, porém o terreno mineiro era duro e pedregoso, pobre em terras argilosas. Mais tarde chegaram às construções com muros de pedras após tentaram vários outros processos sem obtenção de êxito.
Com o tempo, as diversas técnicas de construção foram combinadas harmoniosamente com a rica decoração interior. Essa integração teve seu auge com Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho ( 1730-1814).
Na pintura do Barroco mineiro destaca-se Manuel da Costa Ataíde, sua pintura nos forros de igrejas revela excepcional domínio da perspectiva. Ataíde fez pinturas para a igreja de Santo Antônio em Santa Bárbara, para a igreja de Nossa Senhora do Rosário em Mariana e para a igreja de São Francisco em Ouro Preto.
O principal escultor do Barroco do Brasil foi Antônio Francisco Lisboa (o Aleijadinho) que além de escultor também foi arquiteto e decorador de igrejas. Podemos encontrar inúmeras obras suas em museus e igrejas de Minas, principalmente em Ouro Preto, mas é a cidade de Congonhas do Campo que abriga seu mais importante conjunto escultórico; o santuário do Bom Jesus de Matosinhos. Na ladeira à frente da igreja foram construídas seis capelas, três de cada lado, em cada uma delas um conjunto de estátuas de madeira em tamanho natural narra um passo da Paixão de Cristo.
O santuário do Bom Jesus de Matosinhos é constituído por uma igreja em cujo adro estão esculturas de pedra-sabão de doze profetas: Izaias, Jeremias, Baruque, Ezequiel, Daniel, Oséias, Jonas, Joel, Abdias, Habacuque, Amós e Naum. Cada um deles está em uma posição diferente, fazendo gestos que se coordenam, trazendo a impressão de que as figuras de pedra estão se movendo, gesticulando e dirigindo-se a ouvintes.
Santuário de Bom Jesus de Matosinhos, Congonha
A igreja de Nossa Senhora do Pilar foi originalmente construída com taipa de pilão, tinha paredes paralelas e um interior retangular, com muros lisos, sem as linhas curvas do estilo barroco. Para receber sua rica decoração essa igreja teve seu interior remodelado onde, em 1736 o artista português Francisco Antônio Pombal revestiu internamente as velhas paredes da igreja de modo a traçar uma planta poligonal, criando um dos interiores de igreja mais ricos do Brasil.
A igreja de São Francisco teve sua obra projetada e realizada por Antônio Francisco Lisboa (o Aleijadinho), de estilo barroco, porém, com características próprias. Seu interior não é mais excessivamente revestido de talha dourada, criou-se um ambiente mais leve, onde paredes brancas fazem fundo para esculturas repletas de linhas curvas, motivos florais, anjos e santos.
Igreja de São Francisco, Ouro Preto



O Barroco em Minas Gerais

estilo Barroco ficou conhecido como sendo uma expressão artística características dos séculos XVII e XVIII. No Brasil surgiu no estado de Minas Gerais, em virtude do ciclo da mineração que provocou um enriquecimento bem rápido a economia do estado. Aliado a isso, havia também um espirito de religiosidade muito presente no povo mineiro o que favorecia o desenvolvimento das mais variadas expressões artísticas daquela época.
O Barroco em Minas Gerais
O Barroco em Minas Gerais
No nosso país o estilo Barroco teve diversas influências tanto as que provinham de Portugal, quanto das que provinham do próprio Brasil. Um exemplo dessa influência foram as construções da primeira metade do século VXIII, com destaque para a Igreja de Nosso Senhor do Ó, e a Capela de Padre Faria localizadas em Sabará e Vila Rica respectivamente.
Apesar de outras cidades brasileiras como Recife e Salvador também terem sofrido influência do Barroco, foi em Minas Gerais que esse estilo teve seu apogeu.
Maior  Artista Brasileiro do Barroco: Aleijadinho
Um dos maiores artistas do Barroco com um acervo de obras de uma beleza indescritível é Antônio Francisco Lisboa, conhecido como Aleijadinho. Dentre suas obras se destacam as esculturas religiosas feitas de pedra-sabão.
Salete Dias


Fonte:http://turismo.culturamix.com/cultural/o-barroco-em-minas-gerais
O Barroco nas construções jesuíticas do Sul
Entre os séculos XVII e XVIII desenvolveu-se no sul do Brasil uma arte associada à catequese que os padres jesuítas realizavam com os indígenas. Desse período destaca-se a igreja de São Miguel das Missões, da qual ainda restam alguns elementos arquitetônicos.
Organizadas pelos jesuítas as missões ou reduções indígenas eram agrupamentos de construções: igreja, colégio, oficinas, enfermarias, cemitério, habitações doa padres e da população nativa (os Guaranis). A região missioneira abrangia parte dos atuais estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul, além de terras do Paraguai e Argentina. Diferentemente da arquitetura do século XVIII nas demais regiões do país, as construções jesuíticas do sul, concebidas por construtores de origem européia, muitas vezes misturaram elementos da arquitetura romântica e barroca.
A igreja de São Miguel abriga hoje o museu das missões, que reúne fragmentos arquitetônicos e escultura da época. Em 1983, a Unesco deu as ruínas de São Miguel o título de Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade.
Igreja de São Miguel das Missões
Fonte:http://www.ebah.com.br/content/ABAAABeKcAG/a-arte-barroca-no-brasil
O Barroco na Literatura Brasileira
O movimento brasileiro, influenciado pelo barroco português, apresentou suas próprias características, pois diferente da realidade portuguesa de luxo e pompa da aristocracia, o Brasil vivia uma realidade de violência, em que se perseguiam os índios e escravizavam os negros.

No Brasil, o barroco ganhou impulso entre 1720 e 1750, momento em que várias academias literárias foram fundadas por todo o país.
A obra Prosopopeia, de Bento Teixeira, marca o início do barroco no Brasil.

O centro de riqueza da época era Minas Gerais, e foi lá que a produção artística, ligada à igreja, concentrou-se. O arquiteto, entalhador e escultor Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, foi o grande representante dessa tendência nas artes plásticas, o estilo rococó predominava em suas esculturas de materiais típicos nacionais, como a madeira e pedra-sabão.

Os escritores que mais se destacaram foram:

Na poesia:

- Gregório de Matos
- Bento Teixeira
- Botelho de Oliveira
- Frei Itaparica

Na prosa:

- Pe. Antônio Vieira
- Sebastião da Rocha Pita
- Nuno Marques Pereira.

Por Marina Cabral
Especialista em Língua Portuguesa e Literatura


O Barroco na Literatura no Mundo

Apesar de não possuir características unânimes, o Barroco caracterizou os artistas e escritores do ano de 1600 a 1700.

Arquitetura – obra da época barroca 
Arquitetura – obra da época barroca




O Barroco começa a partir do ano de 1600 e todas as manifestações entre essa data e 1700 estão inseridas em um contexto assimétrico e rebuscado das obras barrocas. Segundo alguns autores, a palavra “barroco” deriva da palavra “verruca” do latim, que significa elevação de terreno em superfície lisa. Toda pedra preciosa que não tinha forma arredondada era chamada de barrueca. Logo após, toda e qualquer coisa que possuía forma bizarra, que fugia do normal, era chamada de baroque. O poeta italiano Giosuè Carducci foi quem, em 1860, adjetivou o estilo da época dos Seiscentos, referindo-se às manifestações artísticas ocorridas a partir do ano de 1600, como sendo barroco. Então, apesar de não possuir características unânimes em todas as obras, o barroco passou a ser a denominação dos artistas e escritores da referida época.
O Barroco ou Seiscentismo teve início em Portugal com a unificação da Península Ibérica, fato que acarreta ao período intensa influência espanhola, e também faz surgir outra denominação para o período, Escola Espanhola. No Brasil, o Barroco teve início em 1601, com a publicação do poema épico Prosopopeia, de Bento Teixeira, o qual introduz em definitivo o modelo da poesia camoniana na literatura brasileira. 

Portugal estava em decadência nos últimos vinte e cinco anos do século XVI, o comércio tornava Lisboa a capital da pimenta, no entanto, a agricultura estava abandonada e as colônias portuguesas, inclusive o Brasil, não deram riquezas imediatas. Pouco tempo depois, com o desaparecimento de D. Sebastião, Filipe II da Espanha consolidou a unificação da Península Ibérica, o que possibilitou e favoreceu o avanço da Companhia de Jesus em nome da Contrarreforma, o que ocasionou a permanência de uma cultura praticamente medieval na península, enquanto o restante da Europa vivia as descobertas científicas de Galileu, Kepler e Newton, por exemplo.

É durante este quadro cultural europeu que o estilo Barroco surgiu, em meio à crise dos valores renascentistas, ocasionada pelas lutas religiosas e dificuldades econômicas. O contexto assimétrico e rebuscado do barroco, citado anteriormente, é reflexo do conflito do homem entre as coisas terrenas e as coisas celestiais, o homem e Deus, antropocentrismo (homem no centro) e o teocentrismo (Deus no centro), pecado e o perdão, enfim, constantes dicotomias.

No Barroco podemos classificar dois estilos literários: O Cultismo e o Conceptismo.

 • Cultismo – caracterizado pela linguagem culta, rebuscada, ligado à forma, jogo de palavras, com influência do poeta espanhol Luís de Gôngora, e por isso, chamado também de Gongorismo.

 • Conceptismo – caracterizado pelo jogo de ideias, ligado ao conteúdo, raciocínio lógico, com influência do espanhol Quevedo, e por isso, chamado também de Quevedismo.

No Barroco brasileiro destacam-se os autores: Padre Antônio Vieira com suas obras de profecias, cartas e sermões e Gregório de Matos Guerra, essencialmente poético.


Por Sabrina Vilarinho
Graduada em Letras
Artigos de " Barroco"

Comentários

  1. por favor, me expliquem o que é PRESENÇA de IMPRESSÕES SENSORIAIS, desde já agradeço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

AS PRINCIPAIS OBRAS DE ALEIJADINHO

Antônio Francisco Lisboa, nosso querido Aleijadinho, nasceu por volta de 1730 em Ouro preto. Sua trajetória é praticamente construída pelas obras que deixou como  escultor, entalhador e arquiteto, pois os principais documentos sobre sua vida só foram escritos por volta de 40 anos depois de sua morte.








Toda sua obra, entre talha, projetos arquitetônicos, relevos e estatuária, foi realizada em Minas Gerais, especialmente nas cidades de Ouro Preto,Sabará, São João del-Rei e Congonhas. Os principais monumentos que contém suas obras são a Igreja de São Francisco de Assis de Ouro Preto e o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos.  Separamos algumas de suas principais obras, vejam: (Fonte das fotos – Wikipedia)
Retábulo da capela-mor da Igreja de São Francisco em São João del-Rei Projeto para a fachada da Igreja de São Francisco em São João del-Rei Cena do carregamento da cruz, na Via Sacra de Congonhas Detalhe do Cristo carregando a Cruz, naVia Sacra de Congonhas Relevo no pórtico da Igreja de São Franc…

ALEIJADINHO : A VIA-SACRA DO SANTUÁRIO DO BOM JESUS DE MATOZINHOS,CONGONHAS-MINAS GERAIS

A Via-Sacra do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas, Minas Gerais O tema é sobre a Via-Sacra e suas capelas que compõem o complexo religioso do Santuário, verdadeiras obras-prima do artista Antônio Francisco Lisboa, conhecido como Aleijadinho, que hoje é classificado Patrimônio Mundial pela UNESCO. Vamos conhecer melhor as capelas e suas esculturas com os textos extraídos da enciclopédia livre Wikipedia (histórico) e do Guia Bravo! de Cultura das Cidades Históricas de Minas Gerais (texto das fotos): Via-Sacra ou Via-Crucis do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos Congonhas do Campo – Minas Gerais – Brasil (fotografias de/photos by Rogério P.D. Luz) A primeira igreja do novo Matosinhos de Minas Gerais foi construída em 1773, com a construção, anos após, entre 1780 e 1793 da Via Crúcis do sopé do morro até o santuário. Em 26 de julho de 1957, o Papa Pio XII, reconhecendo a importância histórica, artística e religiosa do conjunto, elevou a igreja principal à dignidade de Basílica …