Pular para o conteúdo principal

"A JANGADA DA MEDUSA" DE THÉODORE GÉRICAUT - A ARTE TRADUZINDO UMA TRAJÉDIA

File:Medusa Study 2.jpg


"A Jangada da Medusa" de Théodore Géricault


A Jangada da Medusa (em francês: Le Radeau de la Méduse) é uma pintura a óleo de 1818–1819 da autoria de Théodore Géricault, encontra-se exposta no Museu do Louvre em Paris.

A fragata real "Medusa" deixou Rochefort na França, a 17 de Junho de 1816, em direcção a Saint-Louis, no Senegal. Apontada como uma das mais modernas embarcações da época, a sua missão era tomar posse da colónia do Senegal, que havia passado para a tutela francesa. 
A bordo seguia o novo governador do Senegal, com a sua família, soldados e a equipa da marinha. Um total de 400 pessoas, seguramente mais do que as condições do barco permitiam. Ao comando da "Medusa" estava Hugues du Roy de Chaumareys, um capitão que durante 25 anos esteve longe das águas por imposição de Napoleão. Mas com o regresso ao trono dos Bourbons, foi compensado com este comando. 
A arrogância deste capitão e as consequentes discussões com os oficiais motivaram a 2 de Julho, um dia de águas calmas e boa visibilidade, o encalhamento da fragata ao largo do Cabo Branco (entre as Canárias e Cabo Verde). A forma como foi ordenada a evacuação do barco revelou egoísmo e gerou  pânico. O governador, o capitão e grande parte dos oficiais ocuparam seis salva-vidas enquanto 147 tripulantes não encontraram lugar. Estes foram colocadas numa jangada, construída precariamente com tábuas, cordas e partes do mastro, atada a um dos salva-vidas. A dada altura, acidentalmente ou não, o cabo soltou-se. O que se passou a seguir foram cerca de duas semanas de pesadelo num mar tempestuoso, com mortes brutais e até actos de canibalismo. Os oficiais que ficaram na jangada ocuparam o centro da mesma, estavam armados enquanto que os marinheiros e os soldados tinham sido desarmados antes de subirem a bordo. Destes últimos, 20 desapareceram durante a primeira noite.  Na segunda noite, a luta acentuou-se e durante um motim os oficiais, que foram atacados, mataram 65 homens. Após diversos dias na embarcação um dos sobreviventes, o médico Jean-Baptiste Henry Savigny, assumiu a liderança do grupo e passou a dissecar os corpos dos mortos para que servissem de alimento aos sobreviventes, para que estes não morressem de fome. Depois de 13 dias à deriva a jangada da "Medusa" foi resgatada pelo Argus, um pequeno navio mercante. Nesta altura restavam apenas 15 sobreviventes.

A notícia do naufrágio da "Medusa" foi publicada em Setembro de 1816, pelo jornal parisiense Journal des Débats. As investigações sobre as causas e as circunstâncias exactas do desastre ocuparam os jornais franceses durante meses. Uma história de infortúnio que desencadeou um escândalo político. Apenas 10 dos 147 ocupantes da "Medusa" sobreviveram. 

Tendo como base este acontecimento, Théodore Géricault resolveu pintar um quadro que começou por chamar-se "Cena de um Naufrágio". A obra integrou a exposição no Salão de Paris, em 1919 e causou grande polémica. O objectivo de Géricault era realizar uma pintura em grande escala, com efeito tremendo, que lhe permitisse atingir o reconhecimento.  Para realizar A Jangada da Medusa, Géricault socorreu-se de várias fontes. Conversou com dois sobreviventes (Savigny - médico, Corréard - cartógrafo) e leu também o livro que ambos escreveram sobre o naufrágio. Os objectivos realistas levaram-no a alguns preciosismos como a construção de uma pequena maquete da jangada, para melhor a representar. As dimensões do quadro (491x716 cm) obrigaram ao aluguer de um estúdio maior. Curiosamente, perto de um hospital porque Géricault foi autorizado a fazer esboços de doentes e de moribundos. O pintor levou para casa membros de pessoas mortas para observar a sua coloração nos primeiros dias de putrefacção.
Apesar da imensidão real do mar, a tela atribui-lhe pouca importãncia. Nos primeiros estudos Géricault seguiu o costume ordinariamente utilizado nas cenas marítimas: grandes áreas dedicadas à água e as pessoas e barcos com dimensão reduzida. No entanto, à medida que o trabalho foi avançando, Géricault foi dando mais destaque à jangada, de tal forma que na versão final sente-se que quase se pode entrar a bordo. Assim, a parte atribuída ao mar foi sendo marginalizada, ganhando ênfase a estrutura piramidal da composição.
A obra foi adquirida pelo Museu do Louvre após a morte precoce do artista aos 32 anos. A influência de A Jangada da Medusa, pode ser vista em obras de Eugène DelacroixJ. M. W. TurnerGustave Courbet e Édouard Manet.





wikipedia(Imagens)




File:JEAN LOUIS THÉODORE GÉRICAULT - La Balsa de la Medusa (Museo del Louvre, 1818-19).jpg
A Jangada da Medusa -  Théodore Géricault

File:Medusa Study 2.jpg
Canibalismo na Medusa (estudo para a obra A Jangada da Medusa)

File:Radeau meduse structure.jpg
Esquema da estrutura da obra


File:Méduse-Jean-Jérôme Baugean-IMG 4777-cropped.JPG
A Fragata Medusa - Jean- Jérôme Baugean
Arquivo: Jangada de Méduse-Alexandre Correard IMG-4788-cropped.jpg
A Jangada da Medusa no momento do resgate

Fonte:http://estoriasdahistoria12.blogspot.com.br/2013/08/a-jangada-da-medusa-de-theodore.html


Pinceladas de Arte - Théodore Géricault: A Balsa De Medusa

https://www.youtube.com/watch?v=cyd80Izzki8





BIOGRAFIA

Jean-Louis André Théodore Géricault (Ruão26 de setembro de 1791 — Paris26 de janeiro de 1824) foi um pintor francês do Romantismo.
Géricault mudou-se para Paris com o pai, um conhecido jurista, depois da morte da mãe, e aos 10 anos ingressou no Liceu Imperial. Terminados os estudos, teve aulas com o pintor Vernet e anos mais tarde já trabalhava no ateliê de Pierre-Narcisse Guérin, junto com Delacroix.
Em seus primeiros quadros, Géricault demonstrou uma grande admiração por David e pelos cânones estéticos neoclássicos. Dedicou-se a copiar RubensVelázquez e Caravaggio. Seu primeiro quadro importante foiOficial de Caçadores a Cavalo Durante a Carga, com o qual ganhou a medalha de ouro da Academia em 1812. Esta obra reflete a influência de Gros e o cromatismo impactante e vigoroso que se observa em Rubens.
Depois de fazer o serviço militar como mosqueteiro imperial na armada real, Géricault viajou para a Itália, onde estudou profundamente as obras de Michelangelo e Rafael. Na volta, em 1817, o pintor iniciou aquela que seria sua obra-prima, A Balsa da Medusa. Embora o tema do naufrágio seja coerente com o desespero romântico, o certo é que com este quadro Géricault fez-se eco da crítica ao regime, compadecendo-se dos sobreviventes e dos mortos no naufrágio ocorrido por culpa do governo. Sabe-se que sua obsessão chegou a levá-lo a falar com os sobreviventes nos hospitais e inclusive a fazer esboços dos mortos no necrotério.
A doença, a loucura e o desespero passaram então a ser uma constante em seus quadros. O efeito do claro-escuro, que o pintor tanto admirava em Caravaggio, inspiraram-no a criar ambientes patéticos e de intenso sofrimento. Anos depois, em Londres, Géricault retomou sua paixão pelos cavalos, pintando o O Derby de Epson, que de certa forma antecipou sua preocupação em captar o movimento. Também fez quadros de doentes mentais num hospital. Após uma tentativa de suicídio, o pintor voltou a Paris, onde poucos meses depois, vítima de um acidente, acabou morrendo.

Referências

  • Ciofalo, John J. "The Raft: A Play about the Tragic Life of Théodore Géricault." (2009)
  • Eitner, Lorenz. "Introduction", Theodore Gericault. Salander-O'Reilly, 1987Wheelock Whitney. Gericault in Italy. Yale University Press, New Haven/London, 1997
  • Riding, Christine. "The Raft of the Medusa in Britain", Crossing the Channel: British and French Painting in the Age of RomanticismTate Publishing, 2003


Fonte:https://pt.wikipedia.org/wiki/


PRINCIPAIS OBRAS


AUTO-RETRATO


A hiena de Salpêtrière.


Estudo de nu masculino.


Busto de Negro, exposto no Palácio Nacional da Ajuda


A balsa da Medusa, Mus. do Louvre - Paris


Dois justiçados, Mus. Nacional - Estocolmo


Captura de um cavalo bravo, Mus. das Belas-Artes - Rouen


O derby de Epson, Mus. do Louvre - Paris

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ARTE BARROCA E SUAS CARACTERÍSTICAS

BARROCO
A arte barroca originou-se na Itália (séc. XVII) mas não tardou a irradiar-se por outros países da Europa e a chegar também ao continente americano, trazida pelos colonizadores portugueses e espanhóis. As obras barrocas romperam o equilíbrio entre o sentimento e a razão ou entre a arte e a ciência, que os artistas renascentistas procuram realizar de forma muito consciente; na arte barroca predominam as emoções e não o racionalismo da arte renascentista. É uma época de conflitos espirituais e religiosos. O estilo barroco traduz a tentativa angustiante de conciliar forças antagônicas: bem e mal; Deus e Diabo; céu e terra; pureza e pecado; alegria e tristeza; paganismo e cristianismo; espírito e matéria. 



Suas características gerais são:

• emocional sobre o racional; seu propósito é impressionar os sentidos do observador, baseando-se no princípio segundo o qual a fé deveria ser atingida através dos sentidos e da emoção e não apenas pelo raciocínio. 
• busca de efeitos decorativos e v…

AS PRINCIPAIS OBRAS DE ALEIJADINHO

Antônio Francisco Lisboa, nosso querido Aleijadinho, nasceu por volta de 1730 em Ouro preto. Sua trajetória é praticamente construída pelas obras que deixou como  escultor, entalhador e arquiteto, pois os principais documentos sobre sua vida só foram escritos por volta de 40 anos depois de sua morte.








Toda sua obra, entre talha, projetos arquitetônicos, relevos e estatuária, foi realizada em Minas Gerais, especialmente nas cidades de Ouro Preto,Sabará, São João del-Rei e Congonhas. Os principais monumentos que contém suas obras são a Igreja de São Francisco de Assis de Ouro Preto e o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos.  Separamos algumas de suas principais obras, vejam: (Fonte das fotos – Wikipedia)
Retábulo da capela-mor da Igreja de São Francisco em São João del-Rei Projeto para a fachada da Igreja de São Francisco em São João del-Rei Cena do carregamento da cruz, na Via Sacra de Congonhas Detalhe do Cristo carregando a Cruz, naVia Sacra de Congonhas Relevo no pórtico da Igreja de São Franc…

ALEIJADINHO : A VIA-SACRA DO SANTUÁRIO DO BOM JESUS DE MATOZINHOS,CONGONHAS-MINAS GERAIS

A Via-Sacra do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas, Minas Gerais O tema é sobre a Via-Sacra e suas capelas que compõem o complexo religioso do Santuário, verdadeiras obras-prima do artista Antônio Francisco Lisboa, conhecido como Aleijadinho, que hoje é classificado Patrimônio Mundial pela UNESCO. Vamos conhecer melhor as capelas e suas esculturas com os textos extraídos da enciclopédia livre Wikipedia (histórico) e do Guia Bravo! de Cultura das Cidades Históricas de Minas Gerais (texto das fotos): Via-Sacra ou Via-Crucis do Santuário do Bom Jesus de Matosinhos Congonhas do Campo – Minas Gerais – Brasil (fotografias de/photos by Rogério P.D. Luz) A primeira igreja do novo Matosinhos de Minas Gerais foi construída em 1773, com a construção, anos após, entre 1780 e 1793 da Via Crúcis do sopé do morro até o santuário. Em 26 de julho de 1957, o Papa Pio XII, reconhecendo a importância histórica, artística e religiosa do conjunto, elevou a igreja principal à dignidade de Basílica …