Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2017

AS CAVERNAS,ÚTERO DA ARTE

As cavernas, úteros da arte
A primeira vez em que entrei numa caverna, foi na Paiva, lá em Intervales, reserva florestal no interior de São Paulo. Aquela entrada escura e misteriosa era apenas o começo de uma aventura que abria para mim o mundo subterrâneo. Carregando uma carbureteira que alimentava a chama de nossos capacetes, fomos, eu e uns amigos, penetrando no útero da terra. Estalactites surgiam à nossa frente, desvendados pela fraca luz que cada um de nós carregava; fraca mas suficiente para iluminar aquele mundo desconhecido. Em silêncio, ouvíamos os sons dos nossos passos, além do som de gotas de água que caem dos tetos de carvernas vivas, formando, a cada cem anos, um centímetro de estalactite. O guia, a certa altura, nos sugeriu: desliguemos nossas lanternas e chamas dos capacetes, sentemos no chão e fiquemos em silêncio... Nosso grupo obedeceu. Quietude absoluta! Não existe escuridão maior do que aquela! Nem silêncio mais profundo, quebrado apenas por pequenas gotas d’água.…

VEJA AS 19 OBRAS DE ARTE MAIS ASSUSTADORAS DO MUNDO

Veja as 19 obras de arte mais assustadoras do mundo De Luciana Calogeras  - 19 de janeiro de 2017

Por incrível que pareça a arte pode esconder um passado obscuro, marcado por angústias secretas do autor
Imagine a seguinte situação: você entra em um museu, normalmente com aquele silêncio mortal e aquela iluminação fraca e… ao invés de se deparar com obras de arte comuns, dá de cara com trabalhos incrivelmente assustadores.Por incrível que pareça a arte pode esconder um passado obscuro, marcado por angústias secretas do autor, junto com seus períodos mais sombrios relatados em seus trabalhos. E é exatamente isso que essas obras mostram. Veja a seguir e tente decifrá-las: 19 – Autor desconhecido, data também desconhecida 18 – Henryk Weyssenhoff, “Premonition,” 1893 17 – Gerard David, “The Judgment of Cambyses,” 1498/1499 16 – Hans Memling, “Triptych of Earthly Vanity and Divine Salvation” , 1485 15 – Théodore Géricault, “The Hyena of la Salpêtrière,” 1819/1822 14 – William Blake, “The Ghost of a F…

A HISTÓRIA DE ARTEMISIA GENTILESCHI,A PINTORA VIOLENTADA QUE SE VINGOU FAZENDO ARTE FEMINISTA NO SÉCULO 17

Direito de imagemALLEN PHILLIPS/WADSWORTH ATHENEUMImage captionArtemisia Gentileschi foi uma artista de talento excepcional
A história de Artemisia Gentileschi, a pintora violentada que se vingou fazendo arte feminista no século 17Irene Hernández VelascoEspecial para a BBC Mundo "Trancou o quarto a chave e depois me jogou sobre a cama, imobilizando-me com uma mão sobre meu peito e colocando um dos joelhos entre minhas coxas para que não pudesse fechá-las. E levantou minhas roupas, algo que lhe deu muito trabalho. Pôs um pano em minha boca para que não gritasse. Eu arranhei seu rosto e arranquei seus cabelos." Esse é o relato de um estupro ocorrido há quatro séculos, mais especificamente no ano de 1611. A vítima era a italiana Artemisia Gentileschi, uma artista cujo talento pode ser comprovado pelo fato de ter sido a primeira mulher aceita na Academia de Belas Artes de Florença, na Itália, a mesma pela qual passou Michelangelo. Além de ter sido estuprada, ela teve de aguentar ver …